BID culpa atraso da América Latina à insuficiência de investimentos em infraestrutura

0
104
Foto/Divulgação

Após dois anos de contração, a economia latino-americana cresceu timidamente (1%) em 2017. Os próximos anos vão continuar por este caminho e alcançar uma média de 2,6% ao ano até 2020, o que está de acordo com as taxas de crescimento históricas (2,4% é a taxa de crescimento média de 1960-2017). No entanto, essa taxa fica atrás de regiões como a Ásia e a Europa, que devem ter um crescimento esperado de 6,5% e 3,7% no mesmo período, de acordo com o último relatório macroeconômico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), apresentado neste final de semana em Mendoza (Argentina).  O BID culpa esse atraso pelo investimento insuficiente, especialmente em infraestrutura.

“A América Latina e o Caribe têm uma lacuna nesse sentido de 5% do produto. Para fechar deve investir  US$ 100 bilhões por ano durante as próximas duas ou três décadas “, explica Fabrizio Opertti, chefe da Divisão de Comércio e Investimento da instituição, principal fonte de financiamento para desenvolvimento da América Latina e do Caribe.

Oportunidades de PPPs

“Isso não deve ser tomado como um problema. Pode ser uma oportunidade para parcerias público-privadas, para gerar empregos, o que tem impacto sobre o crescimento, gera eficiências em transporte e conectividade”. Além de insuficientes, os investimentos realizados são pouco produtivos. Uma análise do desempenho do crescimento na região que leva em conta o aumento das habilidades de trabalho, conclui que a América Latina eo Caribe dificilmente o aumento da produtividade entre 1990 e 2017. Em contraste, a Ásia emergente registrou um crescimento médio anual de esta variável 0,22% para o mesmo período.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui