BR-116 ganhará número maior de trechos duplicados em 2018

0
105
BR-116/ SBS Engenharia/Divulgação

Uma das obras emblemáticas de infraestrutura do Rio Grande Sul, a duplicação da BR-116 Sul, entre Guaíba e Pelotas, deverá ser uma das mais beneficiadas com recursos em 2018 graças à ação da bancada federal gaúcha que teve aprovada uma Emenda impositiva de R$ 81 milhões. Somados a uma proposta de crédito do Ministério dos Transportes de mais R$ 50 milhões, o empreendimento contará com uma disponibilidade R$ 130 milhões contra R$ 59 milhões aplicados no acumulado do ano até outubro, segundo informou Hiratan Pinheiro da Silva, superintendente do Dnit no Rio Grande do Sul.

Apesar deste cenário, o chefe do Dnit no RS prefere ser cauteloso. “Ainda são apenas perspectivas, mas sem confirmação. Antes a proposta de crédito precisa passar pelo Congresso. Por enquanto não temos um horizonte claro.”
Mesmo assim, Pinheiro garante que em 2018 serão entregues aos usuários trechos duplicados mais longos.  “A obra ainda não será concluída, mas haverá um número maior de trechos duplicados”, ressalta.

Ricardo Portella, presidente do Sindicato da Indústria da Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplenagem (Sicepot-RS), estima que uma vez confirmado os R$ 130 milhões para a BR-116 em 2018, faltariam mais R$ 600 milhões para conclusão da obra, montante que inclui a ponte do rio Camaquã que havia ficado fora projeto duplicação.

Atualmente, dos nove lotes em execução, os de números 1,2,3 e 8 estão paralisados. Nos demais os trabalhos seguem num ritmo adequado ao seu orçamento.  Até o momento 60% das obras foram concluídas.

No acumulado do ano até outubro, o Dnit-RS investiu um total de R$ 490 milhões  na rodovias federais do estado de uma previsão inicial de R$ 790 milhões.

Outra Emenda impositiva, também de R$ 81 milhões, aprovada pela bancada gaúcha na Câmara foi para o projeto e a construção da ponte internacional sobre o rio Uruguai, ligando Porto Xavier, no Brasil, a San Javier, na Argentina. O deputado Darcísio Perondi, vice-líder do governo na Câmara, garantiu que os recursos serão pagos. “Agora o orçamento não é de fantasia, é real, verdadeiro e os recursos previstos nele serão efetivamente pagos pelo Tesouro Nacional”.

Segundo a comunidade de Porto Xavier, a ponte deverá contribuir para ampliar, o comércio internacional, transporte de cargas e passageiros no Mercosul, especialmente entre Brasil e Argentina, e incrementar o turismo na Região, com destaque para a Rota Jesuítica Guarani e os Sete Povos das Missões.

Entre as obras do Dnit no estado em execução, a da duplicação da BR-386/RS, no trecho entre Estrela e Tabaí, de 34 quilômetros, deve estar concluída no mais tardar até o início de 2018. Todos os recursos previstos no total de R$ 150 milhões já foram empenhados.

Com ordem de início de obras em julho de 2010, os trabalhos iniciaram de forma efetiva em novembro daquele ano em razão da demora na emissão de licença ambiental. Em 2016 devido à falta de recursos, não houve avanço no cronograma que se reiniciou em 2017. Hoje apenas um lote encontra-se em obras.

Na BR- 290 os lotes 2 e 3 estão paralisados e somente o 4 está em andamento. As obras do Contorno de Pelotas estão em ritmo baixo e a Travessia de Santa Maria está sem perspectiva de conclusão. No acumulado do ano até outubro, o Dnit-RS investiu um total de R$ 490 milhões na rodovias federais do estado de uma previsão inicial de R$ 790 milhões. Apesar da restrição de recursos, o Rio Grande do Sul continua sendo um dos estados mais favorecidos pela autarquia.  O RS é o segundo no ranking em rodovias pavimentadas, atrás apenas de Minas Gerais, com 8,4%  de uma rede total de 65.930 km.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui