Edital de licitação da RIS estabelece leilão de concessão para 1º de novembro na Bovespa

0
289
Trecho de 87,9 km da BR-101 faz parte da RIS/Foto/DNIT

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publica em seu portal, nesta terça-feira, (4/7), o edital de licitação da Rodovia de Integração Sul (RIS). A abertura das propostas será em 1º de novembro de 2018 na Bovespa. A assinatura do contrato de concessão será em 9 de janeiro de 2019.

A tarifa básica de pedágio, representando a tarifa máxima relativa ao veículo de rodagem simples e de dois eixos, é R$ 7,24, referenciada a julho de 2018.

A partir das 23:59 de hoje, a Triunfo Concepa deixará de ser a empresa responsável pela administração dos 121 quilômetros de rodovias duplicadas da Free-Way que permanecerá sem pedágio até a posse da nova concessionária, possivelmente em meados de dezembro. Caberá ao Dnit a conservação e a manutenção da rodovia e das três praças de pedágio, que incluem 57 cabines de cobrança manuais e oito de cobrança automática.

Após 20 anos de atuação, a Triunfo Concepa teve em 3 de julho de 2017 seu contrato estendido por mais um ano pela ANTT cuja proposta de prorrogação por mais seis meses não foi aceita pela concessionária devido a um impasse na definição dos termos e condições.

Com o encerramento da concessão da Triunfo-Concepa, os serviços de manutenção e içamento da vão móvel da ponte do Guaíba deverão ser assumidos pela empresa HHTC, vencedora da licitação realizada pelo Dnit na última sexta-feira.

A concessão, segundo a ANTT, será pelo prazo de 30 anos e consiste na exploração da infraestrutura e na prestação do serviço público de recuperação, conservação, manutenção, operação, implantação de melhorias e ampliação de capacidade do trecho de 473,4 quilômetros.

Os trechos a serem concedidos são: BR-101/RS, entre a divisa SC/RS até o entroncamento com a BR-290 (Osório); BR-290/RS, no entroncamento com a BR-101 (Osório) até o km 98,1; BR-386, no entroncamento com a BR-285/377 (Passo Fundo) até o entroncamento com a BR-470/116 (Canoas); e BR-448, no entroncamento com a BR-116/RS-118 até o entroncamento com a BR-290/116 (Porto Alegre).

A nova concessão atravessará 32 municípios gaúchos: Torres, Dom Pedro de Alcântara, Três Cachoeiras, Três Forquilhas, Terra de Areia, Maquiné, Osório, Santo Antônio da Patrulha, Glorinha, Gravataí, Cachoeirinha, Porto Alegre, Canoas, Nova Santa Rita, Montenegro, Triunfo, Tabaí, Taquari, Fazenda Vila Nova, Bom Retiro do Sul, Estrela, Lajeado, Marques de Souza, Pouso Novo, São José do Herval, Fontoura Xavier, Soledade, Mormaço, Tio Hugo, Victor Graeff, Santo Antônio do Planalto e Carazinho.

Investimentos
Conforme os estudos e o Programa de Exploração da Rodovia (PER), estão previstos investimentos de R$ 7,8 bilhões e custos operacionais estimados em R$ 5,6 bilhões. Estes se referem a custos de conservação, operação e monitoramento do trecho concedido. Serão investidos, também, R$ 53 milhões em estudos e pesquisas de desenvolvimento tecnológico, com apoio de universidades e cientistas.

Além disso, um investimento de R$ 31 milhões será feito em ações relacionadas à segurança viária, com programas de prevenção a acidentes e educação no trânsito. Está previsto que todo esse investimento proporcionará a geração de aproximadamente 4 mil empregos diretos e 8 mil indiretos. Para os municípios, estima-se um retorno de Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN) de cerca de R$ 1,3 bilhão ao longo dos 30 anos de concessão.

Requisitos
 De acordo com o edital, poderão participar do leilão, isoladamente ou em consórcio, pessoas jurídicas brasileiras ou estrangeiras, entidades de previdência complementar e fundos de investimento, os quais deverão apresentar documentos relativos à qualificação jurídica, econômico-financeira, fiscal, trabalhista e técnica para poder participar do certame. Além disso, os grupos que ofertarem deságios maiores (acima de 10%) terão que apresentar um capital social adicional. Esse novo mecanismo vai garantir propostas sustentáveis.

Obras
Ao todo serão duplicdos 225,2 quilômetros até o 18º ano do prazo da concessão. Isso resultará na duplicação integral da rodovia. Além disso, serão executados 78,8 quilômetros de faixas adicionais para ampliação da capacidade. Também está previsto a construção de 85 novos dispositivos de interconexão, 32 passarelas de pedestres, 75,5 km de vias marginais, 59 melhorias em acessos, assim como a iluminação nas travessias urbanas e nas vias marginais.

Além destas obras obrigatórias, a ANTT poderá solicitar a execução eventual de diversas melhorias (vias marginais, interconexões, passarelas) ao longo da execução contratual, caso necessário, na forma de um estoque de melhorias disponível para tanto.

Praças de pedágio
O trecho passará a contar com sete praças de pedágio distribuídas entre as BRs 101, 290 e 386.
*Até o final do 18º mês de concessão, esta praça terá cobrança unidirecional.
** Até o final do 18º mês de concessão, a localização desta praça será no km 77+000

Atendimento ao usuário
 O trecho concedido contará com sete postos de atendimento ao usuário distribuídos ao longo de toda a rodovia. São 10 ambulâncias, quatros móveis, 13 guinchos leves, quatro guinchos pesados, três caminhões-pipa, sete veículos de inspeção de trânsito, entre outros, disponíveis aos usuários.

Inovações
Para esta nova rodada de concessão rodoviária, os editais serão publicados em português e em inglês, favorecendo a participação de empresas estrangeiras. Haverá regras mais rígidas para alterações contratuais, pelas quais somente poderão ser incluídas obras na concessão por meio de revisões quinquenais (a não ser por questão de segurança viária); e a introdução de um mecanismo de risco compartilhado entre concessionária e Poder Concedente (ANTT) para a execução de obras de manutenção de nível de serviço (faixa adicionais), caso gatilhos de tráfego sejam acionados.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui