Exportações gaúchas somam US$ 5,8 bilhões e tem o melhor primeiro trimestre em dez anos

0
182
Crédito: Porto de Rio Grande

As exportações gaúchas acumuladas entre janeiro e março deste ano totalizaram US$ 5,826 bilhões. É um número excepcionalmente robusto para o período. No comparativo com o mesmo período do ano passado, houve um salto de 75,63% (US$ 3,317 bilhões). Com este resultado os embarques mais do que dobraram em relação a 2016. Foi o melhor desempenho para o primeiro trimestre nos últimos dez anos conforme pesquisa feita pela revista Modal.

Exportações RS - 1º TRIMESTRE

Os negócios foram puxados pelo setor de bens intermediários (45,94%), seguido por bens de capital (33,98%) e bens de consumo (19,23%). De acordo com levantamento do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio (Mdic), o principal item da pauta de exportações foi o envio de barcos, guindastes e diques flutuantes. Estes artigos não aparecem no primeiro trimestre de 2017. A empresa responsável pelas vendas é o Estaleiro do Brasil (EBR), localizado em São José do Norte. O segundo produto mais vendido no exterior foi a soja (alta de 82% sobre o ano passado), e o terceiro, o fumo (111,20%).

Holanda e China respondem por quase metade das exportações

Em 2017, o principal destino dos produtos gaúcho foi a China, seguido pela Argentina e Estados Unidos. Surpreendentemente, a Holanda, que no ano passado apareceu na 17ª colocação, com 1,33% de participação, despontou em primeiro lugar neste ano, com 27,40%, à frente da China, Argentina e Estados Unidos. Quase a metade das exportações no primeiro trimestre deste ano (47,6%) foram enviadas para Holanda e China.

O município de Rio Grande liderou as exportações em valor no estado, somando US$ 677,37 milhões, valor que corresponde a um aumento de 65,45% sobre mesmo intervalo do ano passado. Na segunda posição aparece Triunfo, com US$ 414,33 milhões (0,76% superior ao de 2017), depois Porto Alegre, com US$ 410.51 milhões (35,92%) e Gravataí, com US$ 285,12 (30,26%). O maior salto percentual aconteceu em Guaíba, que mais do que dobrou as exportações: passou de US$ 127,83 milhões para US$ 278,63 milhões neste primeiro trimestre.

Demanda aquecida da América Latina

“É um ótimo índice”, comemora o diretor de Economia, Finanças e Estatística da Câmara de Indústria Comércio de Caxias do Sul (CIC), Carlos Zignani, referindo-se ao aumento de 11% nas exportações de Caxias no primeiro trimestre. “Parte desse crescimento pode ser a base de comparação fraca ano passado, mas não podemos esquecer a vocação da cidade na produção e exportação de autopeças e bens duráveis”, explica o economista. “Há uma demanda muito forte na América Latina”, acentua. Segundo ele, Marcopolo, Fras-le, Randon e Agrale formam os pilares de empresas que mais exportam na cidade, acrescidos de centenas de pequenos fornecedores.

Reomar Slaviero, presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico (Simecs) de Caxias do Sul e região, definiu como surpreendente a alta de 11% nas exportações de Caxias. “Tradicionalmente, este é um período de férias”, diz o dirigente. “A Marcopolo, por exemplo, enfrentou problema de fornecimento de chassi para montagem de ônibus”, lembra Slaviero. Para ele, o impulso nas exportações deve acontecer no segundo semestre. Já para Zignani, da CIC, pode haver uma reação mais positiva já no segundo trimestre.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui