Fim do contrato do gás boliviano com a Sulgás pode favorecer projeto da Copelmi

0
326
Gasoduto Brasil-Bolívia/Divulgação

Em mais uma tentativa de chamar a atenção do governo federal para o potencial energético do Rio Grande do Sul, a partir do carvão mineral, durante o seminário Novas Perspectivas para o Uso Sustentável do Carvão, realizado nesta terça-feira (18), na sede da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), em Porto Alegre, o presidente da entidade, Heitor José Müller, manifestou seu apoio ao projeto da Copelmi que prevê a produção de gás sintético a partir da matéria-prima.
“Se o projeto é transformar o carvão mineral em um importante fator econômico do estado – e o potencial chega à casa de bilhões de dólares em investimentos –, então contamos com a sensibilidade de nossos políticos para ajudarem a viabilizar os projetos já em andamento e os muitos outros que poderão surgir”, destacou Müller.

O diretor de desenvolvimento de novos negócios da Copelmi, Roberto Faria, foi um dos palestrantes do seminário.  A mineradora gaúcha e o grupo coreano Posco planejam construir uma unidade de produção de gás natural sintético (GNS), ou gás de síntese, a partir de carvão mineral no Rio Grande do Sul para injetar na rede da Sulgás, distribuidora controlada pelo governo do estado e pela Petrobras.

O projeto requer um investimento de US$ 1,8 bilhão e o plano é colocar a unidade em operação no fim de 2019 ou início de 2020.   A unidade terá capacidade para fornecer 2 milhões de m3 por dia de gás natural com o beneficiamento de 3,5 milhões de toneladas de carvão por ano. O volume supera o contrato atual de fornecimento de gás boliviano para a Sulgás por intermédio da Petrobras, que é de 1,85 milhão de m3 diários e vence em 2019. A Copelmi estuda o uso do carvão para a produção de GNS desde 2012 em parceria com a Pontifícia Universidade Católica (PUCRS).

Segundo o Portal Brasil, atualmente, o carvão participa com 27% na matriz energética mundial, perdendo apenas para o petróleo, com 33% de participação. O carvão é, também, o energético com maior indicador de emissão de CO2.  No Brasil, o carvão mineral participa com um pouco mais de 5% na matriz energética e com apenas 1,3% na matriz elétrica. O principal uso do carvão ocorre na indústria siderúrgica e para geração elétrica. O carvão mineral brasileiro é considerado de baixa qualidade, com alto teor de cinzas e baixo conteúdo de carbono, o que inviabiliza a sua utilização fora das regiões das jazidas. Por isso, mais de 98% do produto é importado. As reservas de carvão do país estão situadas na região Sul, sendo que apenas as reservas provadas são suficientes para mais 500 anos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui