Greve dos caminhoneiros é a ponta do iceberg

0
174

Greve dos caminhoneiros é a ponta do iceberg

Por Ricardo Lins Portella Nunes, coordenador do Conselho de Infraestrutura da Fiergs 

O atual caos gerado pela greve dos caminhoneiros aflora a inexistência de um planejamento sistêmico nas questões cruciais para a competitividade da indústria e demais segmentos da economia nacional. A situação verificada é apenas a ponta do iceberg. A falta de combustíveis, a escassez de produtos,  o transtorno para os cidadãos, os prejuízos financeiros causados pela paralisação da categoria, expõem a enorme fragilidade do Brasil decorrente da falta de política de longo prazo que encare as reformas estruturais necessárias para o país, que vão muito além dos aspectos logísticos visíveis neste momento.

Contribuem para este cenário fatores determinantes como o monopólio da produção de combustíveis, o inchaço da máquina pública, o déficit de infraestrutura, a falta de uma matriz logística multimodal eficiente, e, especialmente, a brutal carga tributária sobre produtos e serviços. Estas e outras questões inviabilizam o crescimento da indústria e o desenvolvimento do País.

Em relação ao eminente gargalo logístico, destaca-se a total falta de planejamento e investimentos em infraestrutura. Somados a isso, a não implementação de projetos e a ausência de ações agravam o quadro. Segundo o Conselho de Infraestrutura da Fiergs, no Estado, enquanto 88% da produção é transportada pelo modal rodoviário, apenas 5% cabotagem, 5% hidroviário e 2% ferroviário.

Portanto, o momento é extremamente danoso para o RS, que possui uma indústria diversificada, dependente de logística ininterrupta e eficiente tanto para o mercado nacional quanto externo. Todos os ramos da indústria foram afetados. Os segmentos de abate de aves, suínos e bovinos não conseguiram escoar a produção. Já nas fábricas de veículos automotores e de máquinas e equipamentos, químicos e refino, a paralisação decorre da falta de matérias primas e componentes. Esses segmentos representam 55% da produção da indústria gaúcha.

O momento, apesar de crítico, revela o resto do iceberg.

Publicado originalmente no jornal Zero Hora

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui