Portella defende emenda de bancada para ampliar recursos do orçamento de 2017 para o setor

0
387
Obras da BR-116/Arquivo SBS Engenharia

A Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2017 prevê um total de R$ 387 milhões para as obras de rodovias federais em execução no Rio Grande do Sul, o que é insuficiente para o atual estágio desses empreendimentos, disse a Modal Ricardo Portella, presidente do Sicepot-RS.

Conforme o dirigente, do volume previsto pela Lei, cerca de R$ 257 milhões serão destinados à obra da nova ponte do Guaíba; R$ 51 milhões para a duplicação da BR-116; R$ 39 milhões para a travessia de Santa Maria e R$ 40 milhões para a BR-386.   “Somente para dar continuidade às obras da BR-116 precisaríamos de R$ 250 milhões, no mínimo”, disse Portella, que pretende se reunir com a bancada federal gaúcha a fim de discutir a possibilidade de encaminhar uma emenda ao orçamento da União.

A ideia é reivindicar, além dos recursos estimados para a BR-116, uma suplementação de R$ 80 milhões para a obra da Travessia de Santa Maria e mais R$ 60 milhões para a BR- 290. “Hoje, a travessia de Santa Maria é a única obra federal em execução no Rio Grande do Sul, podendo ser paralisada em outubro, no caso de não receber uma suplementação de recursos”, acrescentou Portella.

O setor da construção pesada do Rio Grande do Sul vive, no momento, a sua pior fase desde 1963, quando um grupo de engenheiros se uniu para criar a entidade patronal.  Em 2011, impulsionadas pelo PAC 1 e 2, suas empresas chegaram a reunir mais de 25 mil trabalhadores, número hoje limitado a 3.500, segundo estimativa de Portella. Além disso, 12 empresas, algumas das mais tradicionais do setor, discutem com credores planos de recuperação judicial.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui