Sem dinheiro da União, futuro dos portos brasileiros terá dragagem continuada

0
71
Crédito: Divulgação

Um tema que tem aparecido com frequência nas reuniões estratégicas realizadas em Brasília com representantes do governo federal é o futuro das dragagens nos portos brasileiros. Sem dispor de recursos da União, a conta será repassada prontamente para as administrações portuárias estaduais. A opção provável, neste cenário, é a dragagem continuada, modelo que se caracteriza por volumes menores de retirada de sedimentos e períodos longos. A afirmação é de Janir Branco, diretor superintendente do porto de Rio Grande, habitual participante das reuniões na capital federal.

“Meu modelo de dragagem continuada é similar ao que faz o porto de Buenos Aires. O porto faz um edital para contratar uma empresa por cinco anos, com a responsabilidade de manter as cotas do canal adequadas. No caso de Rio Grande, os estudos indicam que a dragagem seria ao redor de 1,5 milhão de m³ anuais. O porto de Rio Grande teria recursos para bancar volumes menores e terminaria com a dependência da União”, diz o diretor superintendente.

Conceito equilibrado

A possibilidade de dragagem continuada não chegou a ser ventilada na atual gestão de Rio Grande, segundo Branco, porque estava em andamento a dragagem para a retirada de 18,7 milhões de m³, firmada em julho de 2015. “Só não contávamos que o Ibama demoraria para fazer análise”, ele lamenta, consciente de que o modelo atual não dá a resposta que os empreendedores esperam. “A dragagem continuada é um conceito equilibrado e racional. Não é uma decisão difícil de ser tomada”, enfatiza.

A Superintendência de Rio Grande tem duas grandes fontes de receitas: tarifa de acesso aquaviário e arrendamentos. Em 2017 arrecadou R$ 56 milhões de tarifa de acesso e R$ 57 milhões de arrendamentos. As duas correspondem a 84% da receita total. O resto é obtido com armazenagem. “Em tese, a tarifa de acesso aquaviário é para manter o canal com as cotas adequadas e a sinalização”, explica Branco, lembrando que a arrecadação vai toda para o caixa único do estado há várias administrações.

Ideia simpática

O superintendente de Rio Grande é adepto de outra proposta, de viés polêmico, que é o de avocar a responsabilidade do licenciamento ambiental para a Fepam, obedecendo a legislação nacional. “Entendo que se (a analise) fosse feita aqui, o governador já teria criado uma força-tarefa reuniria 30 técnicos para esse fim. Em Brasília eu sou mais um porto e as análises demoram meses”, pondera Branco.

Questionado se a formação de um condomínio empresarial privado proposto no âmbito do movimento Associação Hidrovias RS (juntamente com o governo do estado) poderia minimizar os problemas de dragagem, Branco acredita que o estado estadual não teria oposição a esse sistema. “Mas não sentimos acolhimento da iniciativa privada”, observa.

Carga pesada

“Quando eu assumi a Superintendência, o governo estava dialogando com as entidades (Farsul, Fiergs e Fecomércio, entre outras), mas depois esfriou muito. E o motivo é o seguinte: foram identificados os players, volumes de movimentação de cargas, e o que caberia (de participação) de cada um. Minha avaliação é que os grandes embarcadores identificaram que os valores por tonelada ficaram altos para contribuição mensal para esse fundo e recuaram. E os que ficaram não tiveram força para continuar”, explica. “Eu notei esse retrocesso porque não fui mais chamado pela Secretaria (dos Transportes) para participar das reuniões para tratar esse tema”, acrescenta.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui