O novo boom da energia nuclear

Obras da Usina nuclear de Angra 3

Pesquisa e texto  Milton Wells

A energia nuclear, uma das fontes livres de carbono que se manteve proscrita, está sendo reabilitada em todo o planeta, inclusive no Brasil. Nos Estados Unidos, o projeto bipartidário de infraestrutura aprovado pela Câmara dos Deputados prevê mais de US$ 8,47 bilhões para usinas nucleares existentes e projetos de demonstração nuclear avançada.

A China está planejando 150 novos reatores nos próximos 15 anos. O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou que a França “relançará a construção de reatores nucleares pela primeira vez em décadas”. Como informou a Bloomberg News, são mais reatores do que o mundo inteiro construiu desde 1986.

No Brasil, no fim do ano passado a Eletrobras comunicou ao mercado que o consórcio formado por Ferreira Guedes, Matricial e ADtranz venceu a licitação para retomada das obras de Angra 3, que estão paradas desde 2015.
A empresa  prevê que a usina entre em operação em novembro de 2026. Antes mesmo da retomada das obras de Angra 3, o governo planeja a construção de uma nova usina nuclear no país até 2031.
A construção da usina deve ser indicada no Plano Decenal de Energia (PDE) de 2031, documento que serve de base para o planejamento do setor. Com duas usinas (Angra 1 e 2, em Angra dos Reis-RJ), a matriz responde hoje por menos de 3% de toda a energia gerada em território brasileiro.

Já o Plano Nacional de Energia para 2050, desenvolvido pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), aponta espaço para a ampliação da geração de energia a partir da fonte nuclear entre 8 e 10 GW.

O fato é que a energia nuclear está perdendo o seu estigma. Na Conferência das Partes, a conferência climática das Nações Unidas, de Glasgow, na Escócia, em 2021, representantes dos Estados Unidos, da Rússia e do Brasil descreveram a energia nuclear como uma parte importante de sua estratégia de descarbonização.

No mesmo evento, os Estados Unidos e a Romênia anunciaram uma parceria que envolve a startup norte-americana NuScale, fabricante de reatores modulares. Ela prevê a instalação de cinco deles em usinas de carvão aposentadas para eliminar 45 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano. A capacidade total de geração instalada da România é de 15.300 MW; as usinas a carvão têm participação de 38,5%, ou 5.918 MW. O setor de carvão da Romênia emprega atualmente um total de 16.000 trabalhadores.

Setor trabalha duro para revolucionar tecnologia
Depois de passar por alguns grandes incidentes no final do século 20 que ainda alimentam o ceticismo nuclear, o setor está trabalhando duro para revolucionar seu trabalho. Por exemplo, o reator refrigerado a sódio atualmente em desenvolvimento na província de Fujian, na China, está planejado para ser finalmente conectado à rede até 2023.

Apoiada pelo governo federal dos EUA, bem como pelos bilionários Bill Gates e Warren Buffett, a novata TerraPower LLC planeja construir uma usina nuclear de próxima geração de aproximadamente US$ 4 bilhões em Kemmerer, Wyo.

A seleção do local perto da Usina de Energia Naughton da PacifiCorp foi anunciada em 16 de novembro, ressaltando o mais recente marco em um esforço de alto perfil para lançar um novo ativo flexível para desbloquear uma descarbonização mais profunda da matriz de energia dos EUA.  Fundada por Gates e outros investidores em 2006, a TerraPower está em parceria com a GE Hitachi Nuclear Energy para começar a construir a usina até 2024, dependendo das aprovações regulatórias.

O reator rápido refrigerado a sódio de 345 MW é combinado com um sistema de armazenamento de energia de sal fundido, projetado para aumentar a produção da instalação para 500 MW por mais de 5 horas, igual à energia necessária para abastecer cerca de 400.000 casas, de acordo com a TerraPower.

Angra 3 irá gerar 1.405 MW ( box)

O Brasil conta, atualmente com duas usinas nucleares. Angra 1, de 640 MW, entrou em operação comercial em 1985. Construída com vida útil de 40 anos, seu prazo expira em 2024 e, para que a unidade possa continuar funcionando, a Eletronuclear depende de uma nova autorização da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN).  A companhia pediu a prorrogação do prazo por mais 20 anos, o que a permitiria continuar a operação de Angra 1 até 2044.
A segunda usina nuclear brasileira começou a operar comercialmente em 2001. Com potência de 1.350 megawatts, Angra 3 tem previsão de entrada em operação no fim de 2026 e irá gerar 1.405 MW.

 

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Publicidade
NOTÍCIAS RELACIONADAS