Crescimento de energias renováveis no mundo não compensa o aumento no consumo de combustíveis fósseis, diz relatório da PwC

0
171
Alemanha é o país líder em descarbonização, com o aumento das energias eólica e solar e redução de carvão, petróleo e gás

Em 2018, a Alemanha liderou o Índice de Economia de Baixo Carbono, entre as 20 maiores economias do mundo ( G20), com uma taxa de descarbonização de 6,5%, reduzindo o consumo de carvão, petróleo e gás natural e aumentando a energia solar e eólica em 8,7%, de acordo com o levantamento da PwC divulgado nesta terça-feira.

Os outros melhores desempenhos no LCEI  em 2018 – México, França, Itália e Arábia Saudita – foram capazes de reduzir as emissões enquanto aumentavam suas economias. A descarbonização na UE foi impulsionada pela troca de carvão para gás, principalmente na Alemanha e na França. O preço do carbono na UE aumentou dramaticamente, passando de menos de 8 euros no início de 2018 para cerca de 25 euros hoje. Isso está forçando os geradores a gerenciar suas carteiras com mais eficiência de carbono e incentivando a mudança contínua da geração de energia a carvão.

Com uma taxa de descarbonização de -3,5%, o Brasil ficou em oitavo lugar no relatório preparado pela PwC. O compromisso do Brasil é reduzir as emissões de gás carbônico em 37% em relação às emissões de 2005. A data limite para isso é 2025, com indicativo de reduzir 43% das emissões até 2030.

Após quatro anos de progresso moderado, em 2018, o ritmo da transição de baixo carbono diminuiu para a média de longo prazo desde 2000. Apesar dos aumentos significativos em energia renovável, a diferença entre a meta do Acordo de Paris e o caminho atual continua a crescer. Em 2018, o PIB global cresceu 3,7%. Isso foi impulsionado pelas economias emergentes, com crescimento superior a 5% na China, Índia e Indonésia. Embora a economia global esteja se tornando mais eficiente em termos de energia, o consumo de energia aumentou 2,9% em 2018. A energia renovável cresceu na taxa mais alta desde 2010, com 7,2%, mas ainda é inferior a 12% do sistema energético. A maior parte do crescimento da demanda de energia foi atendida por combustíveis fósseis, que aumentaram as emissões globais em 2%. Este é o aumento mais rápido de emissões desde 2011.

A intensidade de carbono da economia global caiu 1,6% em 2018. Isso é menos da metade da taxa de descarbonização observada em 2015 (de 3,3%), quando mais de 190 governos se comprometeram com o Acordo de Paris. Nesse ritmo, os países nem sequer alcançam suas próprias metas nacionais (NDCs) e muito menos a meta global muito mais ambiciosa desse acordo. Segundo estimativa, a taxa média de descarbonização necessária para atender aos NDCs das economias do G20 seja de 3% ao ano até 2030.

É necessária uma taxa de descarbonização de 7,5% ao ano para dar dois terços de probabilidade de limitar o aquecimento a dois graus. Para comparação, a França descarbonizou a 4% ao ano durante a mudança para a energia nuclear nos anos 80, e os EUA descarbonizaram a 3% ao ano na revolução do gás de xisto.

Em 2019 – o ano de aumentar a ambição – vários países revisaram suas metas de redução de carbono. Em julho, o Reino Unido prometeu emissões zero líquidas até 2050, e a UE está sinalizando intenções semelhantes. Mas a oportunidade de cumprir as metas do
Acordo de Paris continua se fechando.

A implantação de soluções climáticas naturais é urgentemente necessária. O recente Relatório Especial do IPCC sobre Mudanças Climáticas e Terras destacou a importância do uso da terra na redução de emissões e mitigação dos impactos das mudanças climáticas. Conclui que o potencial total de mitigação técnica das atividades agroflorestais e de cultivo e pecuária pode atingir até 10 GtCO2e por ano até 2050, o que equivale a 20% das emissões antropogênicas. No entanto, haverá trocas difíceis entre medidas terrestres para combater as mudanças climáticas, fornecer energia de baixo carbono (como biocombustível) e abordar a segurança alimentar global. As empresas agora estão tendo que lidar com a crescente intensidade dos impactos climáticos e eventos climáticos extremos, juntamente com uma resposta política incoerente em todo o mundo.
Demanda de energia cresce
Primeiro, houve um ressurgimento no crescimento de indústrias intensivas em energia, como construção e aço, em economias em rápida industrialização, como China, Índia e Indonésia. De acordo com dados da World Steel Association, a produção global de aço cresceu 4,5% em 2018 – China e Índia foram responsáveis por mais de três quartos desse crescimento. A China investiu centenas de bilhões de dólares em projetos de construção e infraestrutura em grande escala na Ásia, Oriente Médio, Norte da África e Europa através de sua estratégia “Um Cinturão, Um Caminho”.

Em outros lugares, os investimentos em infraestrutura e construção de imóveis nas economias emergentes continuam a crescer, à medida que os países procuram acompanhar o aumento da riqueza e dos padrões de vida.

Segundo, os padrões extremos de clima frio e calor vistos globalmente no ano passado levaram a um aumento na demanda por eletricidade e gás para aquecimento e refrigeração. Este é um aviso severo dos possíveis ciclos de feedback associados aos impactos das mudanças climáticas. Atualmente, existem mais de 1,6 bilhão de aparelhos de ar condicionado em uso, que consomem mais de 2.000 terawatt-hora (TWh) de eletricidade a cada ano. À medida que os períodos de aquecimento se tornam mais frequentes e a riqueza global aumenta o mercado de aparelhos de ar condicionado, principalmente na China, Índia e Indonésia, prevê-se que a demanda possa atingir 15.500 TWh até 2050.
Os combustíveis fósseis dominam
Carvão, gás natural e petróleo foram responsáveis por mais de dois terços do aumento da demanda de energia. Embora o consumo de carvão permaneça menor do que o pico de 2013, ele aumentou pelo segundo ano consecutivo. A Índia registrou o aumento mais significativo no consumo de carvão, aumentando seu uso em 36,3 Mtep (aumento de 8,7%) em 2018. Esse aumento é equivalente ao consumo de carvão de toda a América Central e do Sul. O consumo global de gás natural também aumentou 5,3% e compõe uma parcela crescente do mix global de energia.

A falta de políticas climáticas ambiciosas e mais coordenadas significa que a economia continua sendo o fator dominante na determinação do mix de energia e que as alternativas de baixo carbono são prejudicadas. Nos EUA, o gás de xisto é a fonte de energia mais barata, enquanto o carvão é favorecido na Índia e na Indonésia. Embora as energias renováveis tenham crescido 7,2%, o maior aumento percentual desde 2010, esse crescimento não conseguiu compensar o aumento no consumo de combustíveis fósseis e representa menos de 12% da energia total (Pwc).

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui