Irena e Fórum Econômico Mundial assinam parceria para avanços na transição energética global

0
181

Para colaboração e promoção de avanços na transição energética global por meio da adoção de novas tecnologias, financiamento e estruturas políticas ousadas, o Fórum Econômico Mundial e a Agência Internacional de Energia Renovável (Irena) assinaram, em 23 de setembro, um memorando de entendimento, juntamente com a 75ª sessão da Assembleia Geral da ONU e da Cúpula do Impacto no desenvolvimento sustentável.

“Os países precisam aumentar significativamente seu nível de compromisso com a sustentabilidade ambiental, alavancando diversas políticas, tecnologias e opções de financiamento”, disse p presidente do Fórum Econômico Mundial, Børge Brende.

“A formalização desta parceria contínua durante a Cúpula do Impacto no Desenvolvimento Sustentável é um passo importante para fortalecer a missão de nossas organizações. Ele reúne o conhecimento, visão e experiência em inovação da Irena com a rede global do Fórum para garantir que esses compromissos mais elevados sejam realizados em curto prazo.”

“A transformação energética está no cerne da recuperação econômica”, disse o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Renovável (Irena), Francisco La Camera.  “A energia renovável oferece um caminho para a neutralidade do carbono em meados do século, alinhando a política de curto prazo e as decisões de investimento com nossos objetivos de médio e longo prazo da Agenda de Desenvolvimento Sustentável e a meta de 1,5 ° C do Acordo de Paris. A cooperação internacional é vital para apoiar as empresas e o setor público em seus esforços para alcançar nossas metas climáticas.

“O Fórum e a IRENA trabalharam juntos por vários anos para apoiar a transição energética”, disse Roberto Bocca, Chefe de Moldando o Futuro da Energia e Materiais, Fórum Econômico Mundial. “Este memorando fortalece a colaboração entre nossas organizações para acelerar ainda mais e moldar a trajetória da transição energética, garantindo que seja sustentável, inclusiva e apoie a recuperação econômica após Covid-19.”
A última década testemunhou rápidas transformações à medida que os países avançavam em direção à geração, fornecimento e consumo de energia limpa. As usinas termelétricas a carvão foram desativadas, conforme aumenta a dependência do gás natural e de fontes de energia renováveis sem emissões. Ganhos incrementais foram obtidos a partir de iniciativas de precificação de carbono.

O estado atual do setor é descrito no Índice de Transição de Energia 2020 do Fórum Econômico Mundial. Ele avalia os sistemas energéticos de 115 economias, destacando os principais participantes na corrida para emissões líquidas zero, bem como aqueles com trabalho pela frente. O relatório deste ano sinalizou que a Covid-19 pode ameaçar a taxa na qual as economias adotam energia mais sustentável.

A Suécia lidera a classificação geral pelo terceiro ano consecutivo como o país mais pronto para a transição para a energia limpa, seguida pela Suíça e Finlândia. Houve pouca mudança entre os dez primeiros desde o último relatório, o que demonstra a estabilidade energética dessas nações desenvolvidas, embora a lacuna com os países com classificação mais baixa esteja diminuindo. O Reino Unido e a França são as duas únicas economias do G20 entre as dez primeiras.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui