Leilões vão injetar R$ 10 bilhões na infraestrutura nesta semana

0
214

Esta semana será marcada por boas notícias para a infraestrutura. Nos dias 7, 8 e 9 serão concedidos à iniciativa privada 28 ativos, entre aeroportos, terminais portuários e uma ferrovia em um evento batizado de Infra Week. Os projetos, segundo o Ministério da Infraestrutura, contam com segurança jurídica, estabilidade regulatória e previsibilidade econômica. Os leilões serão realizados na B3, em São Paulo e, se tudo der certo, deve injetar mais de R$ 10 bilhões em investimentos, montante que supera o orçamento da pasta, de R$ 7 bilhões neste ano.

As concessões devem gerar mais de 200 mil empregos, de forma direta, indireta e efeito-renda, ao longo dos contratos de arrendamento e concessões. Além desses 28 ativos, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), realizará no dia 29 de abril o leilão da BR-153/080/414/GO/TO, rendendo outros R$ 8 bilhões de investimentos e mais de 140 mil postos de trabalho.

Em dois anos (2019-2020) o programa de concessões promoveu o leilão de 41 ativos e firmou contratos no valor de R$ 44 bilhões em investimento – e outros R$ 13 bilhões de outorga – garantindo a ampliação da logística de transportes. Em 2021, a expectativa é que sejam concedidos outros 50 empreendimentos, o que garantiria mais R$ 140 bilhões para o setor. A intenção do governo é chegar até o final de 2022 com a contratação de R$ 250 bilhões em infraestrutura.

 

infraweek

Expectativa

O primeiro dia do Infra Week será dedicado ao setor aeroportuário. São 22 concessões divididas em três blocos, cuja soma é de R$ 6,6 bilhões, sendo R$ 2,9 bilhões no Bloco Sul, R$ 2,14 bilhões no Bloco Central, e R$ 1,68 bilhão no Bloco Norte. Em um único dia, a expectativa é repassar a mesma quantidade de terminais aeroportuários do que o total atualmente concedido. “Teremos um leilão que promete ser muito competitivo. Temos interessados para todos os blocos e estou entusiasmado”, diz o ministro Tarciso Freitas Gomes.

No dia seguinte será realizado leilão da FIOL 1, primeiro trecho da Ferrovia de Integração Oeste-Leste, entre Ilhéus e Caetité, na Bahia. A concessão do trecho de 537 km garantirá R$ 3,3 bilhões de investimentos, sendo R$ 1,6 bilhão para a conclusão das obras. O prazo de concessão será de 35 anos. A FIOL permitirá o escoamento do minério de ferro produzido na região de Caetité (BA) e a produção de grãos e minério do Oeste da Bahia pelo Porto Sul, complexo a ser construído nas imediações da cidade de Ilhéus.

No último dia acontece o arrendamento de cinco terminais portuários: sendo quatro no Porto de Itaqui (MA) e um no Porto de Pelotas (RS). As quatro áreas no porto nordestino são voltadas ao armazenamento de granéis líquidos. O complexo funciona como distribuidor para regiões Norte e Nordeste por meio da navegação de cabotagem. O terminal de Pelotas é voltado para carga em geral, em especial, toras de madeira, contribuindo para a cadeia logística da produção de celulose. A previsão é obter R$ 600 milhões em melhorias nesses terminais.

Fábrica de projetos

Está em fase final de elaboração pelo ministério de Desenvolvimento Regional o texto de uma Medida Provisória com o objetivo de reformular o uso dos recursos dos fundos regionais de desenvolvimento. A ideia é que passem a financiar a produção de estudos e projetos de infraestrutura que, posteriormente, serão oferecidos para investimentos ao setor privado. Internamente, o projeto é conhecido como “fábrica de projetos”. A previsão é apresentar o texto no final do mês.

O surgimento de uma estrutura pública para produzir estudos e projetos é vista como fator positivo pela Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (ABDIB), como forma de dinamizar o mercado de licitações de concessões e Parcerias Público-Privadas no país. A entidade avalia que “a ausência de bons projetos, em quantidade suficiente sempre foi uma barreira para aumentar os investimentos privados em infraestrutura”.

 

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui