Prolux Engenharia supera efeitos do covid-19 na economia e fecha semestre com incremento de 20%

0
407
André Rambo, diretor da unidade de Campinas; ao fundo a montagem de quadros elétricos para linhas de transmissão no RS de 500 kV

Mesmo com o impacto do covid-19 sobre a economia, a Prolux Engenharia de Sistemas,  especializada em soluções em energia para indústrias de diversos segmentos, concessionárias e permissionárias, encerrou o primeiro semestre do ano com um incremento de 20% em comparação a igual período do ano passado. A expectativa é de fechar 2020, com 30% de acréscimo em comparação ao ano anterior.

Um de seus principais contratos, no ano, foi fechado pela sua unidade de Campinas, com a GE-Grid para a montagem de quadros elétricos no volume de 25 colunas por mês no período de 12 meses. A fábrica, que atua com uma capacidade instalada de 50 quadros por mês, fornece painéis para subestações de energia, englobando quadros para medição para faturamento, serviços auxiliares Vcc e Vca, proteção e controle, supervisão e de telecom. Com seguidos investimentos em equipamentos de testes, recentemente adquiriu o software alemão Eplan – uma ferramenta para automação de projetos, planejamento, orçamentos e gerenciamento.

Criada em julho de 2004, em Porto Alegre, a Prolux viu surgir a oportunidade de investir em uma fábrica de painéis em 2007, quando fechou contrato de serviços com a CPFL para adequações no mercado livre de energia na região de Campinas. Com prazo inicial de vigência de 90 dias, o contrato foi ampliado, de forma sucessiva, viabilizando a instalação de um escritório regional na cidade.

Devido à demanda sempre crescente, o primeiro escritório de 20 metros quadrados, em menos de três meses teve de ser transferido para uma área de 120 metros quadrados. .

Em 2009, com a filial constituída, ocorreu nova mudança para uma área de 450 metros quadrados, reunindo 40 colaboradores, entre projetistas, montadores, engenheiros, administração e mais um portfólio de clientes formado por empresas como Weg, ABB, Areva, Alstom, Yamana Gold, Siemens e outras.

Ainda nos anos de 2012 e 2013, a unidade de Campinas  fechou dois grandes contratos. O primeiro com a Areva para o fornecimento de 180 colunas para subestações de energia dos parques eólicos do nordeste do Brasil. E o outro, no ano seguinte, com a RGE-CPFL para o fornecimento de 70 quadros de medição de energia de alimentadores das subestações da distribuidora sediada no Rio Grande do Sul.

No ano de 2015, a unidade deu um novo salto, indo para uma área de 1200 metros quadrados, onde hoje está localizada a sua fábrica, no bairro Chácara Campo dos Amarais, ao lado da rodovia D. Pedro I.

Novos contratos de adequação de clientes livres junto com a CPFL Campinas,  em torno de 750 unidades, todas contendo painéis elétricos, além de montagem de painéis elétricos para clientes, como Voith, EDP-Bandeirantes e indústrias de diversos segmentos, como Tetrapak, Whirpool e outras, garantiram à empresa uma alta performance em 2016. Já o biênio de 2017/2018, para a Prolux, não foi diferente do mercado e, devido à crise econômica do país, a unidade de Campinas teve de reduzir a produção.

“Já em 2019 percebemos que o cenário econômico começou a mudar, ainda tímido, mas bem melhor que o ano anterior”, disse a MODAL André Rambo, diretor da unidade de Campinas.

No momento, a empresa opera de acordo com todos os requisitos de segurança para saúde dos colaboradores, com parte dos serviços em home office

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui