Região Sul mostra força na fonte hídrica e comercializa 150,1 MW no leilão A-4

0
392
Rio Ituim, onde será construída a PCH Saltinho

A região sul do país mostrou sua força na fonte hídrica ao emplacar 150,1 MW de potência instalada – de um total de 189,7 MW- , correspondente a 12 das 14 PCHs vencedoras e duas CGHs entre quatro no leilão de energia nova A-4 realizado hoje pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Com seis PCHs, ao total de 78,2 MW, o estado do Paraná foi o recordista entre as centrais hidrelétricas vencedoras, seguido pelo Rio Grande do Sul com três PCHs, no equivalente a 47,3 MW, e Santa Catarina com três PCHs e duas CGHs numa potência de 24,8 MW.

Roberto Zuch, presidente da Associação Gaúcha de Fomento às Pequenas Centrais ( agPCH) celebrou o resultado do certame ao destacar o trabalho que vem sendo conduzido pela entidade junto ao órgão ambiental .

“O Rio Grande do Sul, além de ser um dos estados pioneiros nesta fonte de energia, é vocacionado para esse segmento que deve garantir investimentos de cerca de R$ 300 milhões”, acrescentou.

Zuch apontou ainda que entre os atrativos, o estado conta com a sinergia e interação dos fornecedores que influencia diretamente na competitividade dos empreendimentos, juntamente com a proximidade de recursos hídricos aos centros de carga. “Outro atributo importante do estado é o cooperativismo responsável pela comercialização de duas das três PCHs vencedoras”, pontou.

“Precisamos seguir avançando na liberação das licenças ambientais a fim de viabilizar empreendimentos nos próximos certames”, completou.

Em relação as preços do MWh, Zuch acredita que para manter o mesmo nível de contratação será necessário que permaneçam acima do mesmo patamar atual, aliado ao recuo da inflação dos preços dos insumos e redução das taxas de juros dos financiamentos.

A PCH Linha 11 Oeste, da Ceriluz, uma das vencedoras do leilão, será a maior usina do cooperativismo brasileiro. Com uma potência instalada de 23,6 MW ficará localizada no leito do rio Ijuí, no município de Coronel Barros, e irá demandar investimentos de R$160 milhões.

A Coprel, outra cooperativa do RS, emplacou a PCH Santo Antônio do Jacuí, de 5,2 MW potência, que será instalada no rio Jacuí, com recursos de parcerias privadas e outras cooperativas de cerca de R$ 43,2  milhões.

A vencedora PCH Saltinho, de 27,2 MW, situada no município de Ipê,  vai demandar investimentos de R$ 110,2 milhões, dos quais 65% de financiamento e 35% de capital próprio do grupo de investidores.

Nelson Dornelas, da Estelar Engenheiros Associados, de Florianópolis, a quem caberá a gestão de implantação da usina, afirmou à MODAL que o resultado do leilão foi excelente. “Conseguimos vender a energia por um valor dentro do planejado, dos prazos e na qualidade necessária.Com o êxito da venda, o investimento ficará garantido, gerando emprego na fabricação de equipamentos, na construção e na engenharia, todos nacionais, além de maximizar o retorno de ICM ao município”.

Com estimativa de geração para o início de 2023, a unidade ainda aguarda a Licença Ambiental pela Fepam. Atualmente os investidores, empresários de Lajeado, somados a novos acionistas, entre eles a Múltipla, já estão construindo na região a PCH Chimarrão, que tem estimativa de geração para o início de 2023.

No total foram comercializados no leilão 349,1 MW, com investimentos de R$ 3,9 bilhões.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui