O  hidrogênio acelera a transição energética nos países em desenvolvimento

Ricardo Puliti O hidrogênio de baixo carbono é um combustível único com alto potencial para enfrentar as mudanças climáticas e o desenvolvimento. Pode ajudar a acelerar a descarbonização de setores difíceis de reduzir, como a indústria pesada e o transporte global, ao mesmo tempo em que promove o crescimento sustentável no mundo em desenvolvimento. Os países de baixa e média renda estão emergindo como líderes na produção e exportação desse combustível único que pode expandir a segurança energética e alimentar, criar empregos e gerar receita, ao mesmo tempo em que ajuda a mitigar os impactos das mudanças climáticas. mais comum no universo, o hidrogênio pode ser produzido de várias maneiras. Um dos métodos mais promissores para produzir hidrogênio com baixo teor de carbono é separá-lo da água (H2O) usando eletricidade, um processo conhecido como eletrólise. Muitos países em desenvolvimento têm recursos solares e eólicos abundantes e infraestrutura de energia renovável escalável para apoiar a produção de eletrólise.  Outros têm infraestrutura herdada que pode ser reaproveitada para produção e transporte de hidrogênio com baixo teor de carbono. Existem vários usos para este recurso. O hidrogênio de baixo carbono pode ser usado em indústrias pesadas, como fabricação de aço, aviões comerciais e navios de carga que atualmente dependem de combustíveis fósseis e representaram quase 24% das emissões globais de gases de efeito estufa em 2019. Finalmente, o hidrogênio pode ser usado para produzir amônia, um componente-chave de fertilizantes e uma reserva de energia de baixo carbono que pode ser transportada em todo o mundo. “As estimativas sugerem que o uso de hidrogênio precisaria crescer seis vezes para apoiar a transição energética global, chegando a representar 10% do consumo total de energia até 2050”. O preço do hidrogênio com baixo teor de carbono está caindo rapidamente e estima-se que chegue a US$ 1,3 por quilo até 2030. Essa trajetória está gerando grandes expectativas em governos, investidores e empresas que trabalham para atender à crescente demanda. Um avião de passageiros movido a hidrogênio decolou em 2020 e, no início deste ano, uma siderúrgica canadense operou com sucesso usando hidrogênio de baixo carbono em um teste. Cerca de trinta países desenvolveram, ou estão em processo de desenvolvimento, planos de hidrogênio centrais para suas estratégias de descarbonização. No setor privado, mais de US$ 300 bilhões em investimentos em hidrogênio estão previstos até 2030. Para países de baixa e média renda, o hidrogênio de baixo carbono tem o potencial de aumentar a receita de exportação, gerar capacidade de energia para atender às necessidades locais e descarbonizar a fabricação doméstica. Também cria um setor de exportação de valor agregado que gera empregos para mão de obra qualificada. Alguns países de baixa e média renda já estão assinando memorandos de entendimento (MOUs) com clientes em potencial. Por exemplo, um acordo de 2021 entre a Namíbia e a Holanda prevê a criação de uma cadeia de fornecimento de hidrogênio entre os dois países. Os países em desenvolvimento também estão fazendo acordos entre si – no início deste ano, o Egito e a Índia assinaram um acordo para construir uma instalação de hidrogênio de baixo carbono na Zona Econômica de Suez. O Grupo do Banco Mundial está trabalhando com países em desenvolvimento em todo o mundo para promover seus planos de hidrogênio de baixo carbono. O Chile, abundante em recursos solares e eólicos, pretende produzir o hidrogênio de baixo carbono mais barato do mundo até 2030, posicionando-se entre os três maiores exportadores até 2040. Marrocos está trabalhando para desenvolver grandes projetos de hidrogênio de baixo carbono que atrairão investidores privados, enquanto o Brasil almeja que o Estado do Ceará se torne um importante polo de abastecimento de hidrogênio. Parece assustador, mas já passamos por esse caminho antes. As energias solar e eólica eram proibitivamente caras uma década atrás, mas agora se juntaram à energia hidrelétrica renovável como as formas mais baratas de energia – com energia eólica terrestre com média de 0,03 por quilowatt-hora . Com um crescimento de 90% desde 2000 em energia eólica e solar, as energias renováveis ​​fornecem agora quase um quarto das necessidades mundiais de eletricidade. Esse mesmo espírito de inovação e cooperação global pode orientar a transição para o hidrogênio de baixo carbono. Para acelerar essa transição, precisamos agir. Primeiro, precisamos que os governos adotem políticas que promovam a produção de hidrogênio com baixo teor de carbono, estimulem a visibilidade da demanda e apoiem os usuários finais a reaproveitar sua infraestrutura. Organizações internacionais, como o Grupo do Banco Mundial, podem fornecer assistência técnica e financiamento concessional para fortalecer a capacidade e mitigar riscos para permitir que o setor privado se envolva em projetos transformacionais. O apoio público e privado também é essencial para impulsionar inovações na produção, transporte e uso de hidrogênio de baixo carbono de forma a aumentar a resiliência, criar empregos e reduzir as emissões de gases de efeito estufa, enquanto gerencia os impactos sociais e ambientais. No Grupo do Banco Mundial, estamos vendo uma forte demanda de países clientes por assistência no desenvolvimento de programas de hidrogênio.  Para atender a essa demanda, o Grupo Banco Mundial lançará em breve uma nova parceria para o hidrogênio, hospedada e gerenciada pelo Programa de Assistência à Gestão do Setor de Energia (ESMAP) , que reunirá as melhores práticas em hidrogênio relevantes para os clientes e fornecerá consultoria e capacitação em desenvolvimento de políticas e projetos. A parceria também catalisará um financiamento significativo para investimentos em hidrogênio, com compromissos substanciais do Grupo Banco Mundial, que por sua vez provavelmente atrairão uma quantia ainda maior em financiamento privado. A revolução da energia do hidrogênio que está surgindo no mundo em desenvolvimento precisa de apoio global para o benefício de todos. Os países de baixa e média renda têm a oportunidade de traçar um novo caminho e tornar o futuro da energia mais seguro, limpo e saudável para as gerações futuras. Ricardo Puliti Vice-presidente de Infraestrutura do Banco Mundial