10 anos é o tempo necessário para o Brasil reequilibrar a matriz de transportes e reduzir dependência do modal rodoviário

0
79
Claudio Frischtak, da Inter.B Consultoria Internacional de Negócios

A greve dos caminhoneiros que expôs a alta dependência do modal rodoviário, no país, tornou crucial a reformulação da atual matriz de transportes, cujo tema deve fazer parte da agenda de todos os candidatos à sucessão do presidente Michel Temer. É preciso que o presidente eleito resista aos lobbys e às corporações a fim de executar uma agenda que garanta segurança jurídica aos investidores, que contemple o planejamento e uma nova lei para fortalecer as agências reguladoras federais, afirmou o economista Cláudio Frischtak, da Inter.B Consultoria Internacional de Negócios.

Em entrevista à Modal, Frischtak estimou em pelo menos 10 anos o período necessário para o Brasil reequilibrar a matriz de transportes. Como exemplo citou o modal ferroviário cujo cronograma de execução absorve pelo menos dois anos para o desenvolvimento do projeto, e entre quatro e cinco anos para a execução. “Temos exemplos hoje no Brasil da morosidade de projetos de importância como das ferrovias Transnordestina cujas obras estão atrasadas há mais de 10 anos e da Leste-Oeste”, lembrou o economista. E completou: “A remodelação da matriz de transportes impõe um grande trabalho que, além das ferrovias, deve contemplar as hidrovias, a cabotagem e também as dutovias.”

A uma pergunta sobre a matriz ideal de transportes, Frischtak defendeu um aumento de 10% na participação do modal ferroviário, 5% no modal hidroviário e cabotagem, 5% nas dutovias e uma redução de 15% no modal rodoviário.  Segundo dados da agência Eurostat U.S. Bureau of Transportation Statistics, atualmente o modal rodoviário tem uma participação de 65,6% no país, seguido do ferroviário (19,5%), cabotagem (9,6%), hidroviário (1,8%), dutoviário (3,4%) e aéreo (0,05%).

Short lines
Hoje o país, segundo Frischtak, investe em torno de 0,6% do PIB em infraestrutura, quando seria necessário pelo menos 2,5% de um PIB estimado em R$ 6,6 trilhões.  “Correspondendo a investimentos de R$ 130 bilhões, anualmente, para reequilibrar a matriz de transportes e reduzir o custo logístico do Brasil”, pontuou o economista. “Uma das alternativas para aumentar a presença das ferrovias na matriz modal do país seria a implantação das chamadas Short Lines ,da experiência norte-americana, que operam em ramais secundários e não precisam de regulação.”
Nos Estados Unidos existem mais de 550 dessas Short Lines que ocupam cerca de 50 mil milhas de malha.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui