Associação Hidrovias RS começa a se consolidar

0
220
Foto/Divulgação

Está prevista para a segunda quinzena de julho a realização da primeira assembleia que vai definir os rumos da Associação Hidrovias RS, entidade que reúne empresários, donos de cargas, cooperativas, investidores e indústria focadas no transporte de passageiros e de cargas. No encontro serão analisados assuntos como a definição das prioridades, filosofia da entidade e linha de ações. A informação é do presidente Wilen Manteli. No momento, os integrantes estão ocupados na constituição jurídica.

Os empresários se propõem e colocar recursos privados para possibilitar condições de navegabilidade pelas hidrovias com segurança e competitividade. Entre prioridades está a ampliação na movimentação de cargas, dos atuais 7 milhões de toneladas anuais para 12 milhões de toneladas/ano no médio prazo, reduzindo assim o custo do frete em cerca de 40%, e tornando a produção gaúcha mais competitiva, tanto no acesso ao mercado interno via cabotagem, como externo, como o asiático, através da rota marítima do Sul da África.

Aproveitamento das margens

Concluída a definição das prioridades, Manteli pretende produzir um documento a ser entregue aos postulantes do Piratini nas próximas eleições. “Depois de eleito vamos lá cobrar”, avisa Manteli, torcendo para que as tomadas de decisões do próximo governo não sejam mais empurradas para Brasília. “É preciso que as coisas se resolvam por aqui”, ressalta.

Além da preocupação com segurança, sinalização 24 horas para navios e barcaças, mais um ponto de atracação em Rio Grande (atualmente existem dois locais) e a necessidade de um estaleiro para reparo das embarcações, a nova entidade precente concentrar o foco no aproveitamento das áreas que margeiam as hidrovias. “Não há política pública clara que defina as condições para instalação de empreendimentos produtivos e de logística nas margens dos cursos navegáveis”, lamenta Manteli.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui