Indústria calçadista comemora a manutenção da alíquota de importação de 35%

0
58
Pedido dos importadores era redução de 35% para 20% Crédito: Divulgação

O setor calçadista brasileiro comemora a manutenção da alíquota de importação de 35% para calçados de três NCMs (a maioria deles do segmento de esportivos). A resolução foi tomada em reunião realizada na noite de terça-feira (19), na Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão ligado ao governo federal que regulamenta as questões relativas ao comércio exterior de bens e produtos.

“A Camex foi sensível ao nosso argumento, que teve o auxílio e embasamento técnico da AS Consultoria. Com tal redução teríamos uma perda significativa de empregos”, conta o presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein. Originalmente, a solicitação dos importadores de calçados esportivos era uma redução de 35% para 20% na alíquota, o que poderia provocar uma onda de desemprego na indústria calçadista nacional.

Importações sem controle

Atualmente a indústria calçadista gera, diretamente, cerca de 300 mil postos de trabalho em todo o País.  Segundo Klein, a redução abriria as portas para a concorrência desleal, especialmente de grandes marcas esportivas produtoras na Ásia. “Sem a alíquota atual (35%), de 2000 a 2007 as importações de calçados aumentaram quase 500%, de 6 milhões de pares para 28,7 milhões. O fato destruiu empregos no Brasil, fechou fábricas. Seria um desastre, ainda mais em um momento conturbado para o setor, repetir o mesmo erro”, avalia Klein, ressaltando que a atividade segue abalada pela queda da demanda, especialmente do mercado doméstico.

O deputado federal Renato Molling, presidente da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados, esteve à frente de extensa agenda de reuniões em Brasília em prol do setor calçadista e destacou a importância da indústria calçadista brasileira para a economia do Brasil. “O fortalecimento do setor é essencial para a geração de empregos e restabelecimento da economia do Brasil”, comenta o parlamentar, que também é presidente da Frente Parlamentar em defesa do setor coureiro-calçadista e moveleiro.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Por favor digite o seu nome aqui